< Voltar

Robson Lemos

Robson Lemos

Robson Lemos (RJ, 1962). Vive e trabalha entre Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. "Robson Lemos apresenta um elaborado trabalho, no qual o processo aponta pinturas que unem o fazer, o olhar e a alma, de maneira em que o realizar se estabelece no campo do sensível. A fluidez de suas formas remete à questão da representação da realidade, intervindo pictoricamente a partir de uma concepção da cultura visual, em que traz a ideia simbólica de beleza e vivacidade na ornamentação. A construção de mundo é uma profusão de ornamentos absortos na visualidade da ideia da brasilidade, não somente como ressignificação de um mundo estereotipado pela exuberância, mas enquanto memória cultural. Deste modo, sua arte encontra-se embebida pelo universo popular e pelo cotidiano de suas emoções, suas vivências e experiências enriquecem as temáticas e representações. Sua obra não teme o artifício, potencializa-o em adereços com suas pinceladas torneadas por cores vibrantes e sobreposições de fluxos decorativos, presente na sensualidade das formas e adornos, no momento em que, entrelaçando figuras e cores, tece uma nova temporalidade à vida." Manan Terra

Tontura, 2013 (série Batalha dos Fundos)

Tontura, 2013 (série Batalha dos Fundos)
R$5.500,00

Procurando o amor, 2015 (série Batalha dos Fundos)

Procurando o amor, 2015 (série Batalha dos Fundos)
R$4.700,00

Senhora Triátlon, 2013 (série Batalha dos Fundos)

Senhora Triátlon, 2013 (série Batalha dos Fundos)
R$4.500,00

Pássaro de chão, 2014 (série Batalha dos Fundos)

Pássaro de chão, 2014 (série Batalha dos Fundos)
R$5.000,00

Primitivo, 2012 (série Cores e Formas)

Primitivo, 2012 (série Cores e Formas)
R$5.000,00

Amago, 2012 (série Cores e Formas)

Amago, 2012 (série Cores e Formas)
R$5.000,00

Primitivo Redondo (série Batalha dos Fundos)

Primitivo Redondo (série Batalha dos Fundos)
R$4.500,00

O Rei e o Príncipe (série Autoficção)

O Rei e o Príncipe (série Autoficção)
R$12.000,00

O Casamento 01 (série Autoficção)

O Casamento 01 (série Autoficção)
R$15.000,00

Colombina (série Autoficção)

Colombina (série Autoficção)
R$8.000,00

O Perdão (série Autoficção)

O Perdão (série Autoficção)
R$10.000,00

Sem Consciência (série Autoficção)

Sem Consciência (série Autoficção)
R$5.000,00

Jesus e os Sereios (série Autoficção)

Jesus e os Sereios (série Autoficção)
R$10.000,00

Peek a Boo - Vergonha (série Autoficção)

Peek a Boo - Vergonha (série Autoficção)
R$10.000,00

A Grávida (série Autoficção)

A Grávida (série Autoficção)
R$7.500,00

Glória (série Autoficção)

Glória (série Autoficção)
R$6.500,00

O Iluminado (série Autoficção)

O Iluminado (série Autoficção)
R$5.000,00

Noturnos (série Autoficção)

Noturnos (série Autoficção)
R$7.500,00

Diurnos (série Autoficção)

Diurnos (série Autoficção)
R$7.500,00

Noturnos/Diurnos (série Autoficção)

Noturnos/Diurnos (série Autoficção)
R$15.000,00

Conheça mais...

“A pintura contemporânea deixa-se ver nos traços, cores, linhas de Robson Lemos, em telas onde geometria e abstração se mesclam a serviço da gênese de figuras e formas, que constituem um imaginário ao mesmo tempo primitivista e futurista. Em uma apropriação de formas populares, como círculos, quadrados e triângulos, suas telas são tensionadas pela relação fundo e figura, em que os personagens procuram se destacar do meio que os gesta, mas também lhes absorve e repete os motivos e os elementos. O traço estabelece a fronteira tênue entre fundo e forma e garante o processo construtivo das formas e a soltura delas em um espaço próprio. Sem que a filiação a uma vertente pictórica venha conduzir ou limitar a experiência plástica, a obra de Robson Lemos enlaça paradoxalmente o erudito e o popular, o visível e o invisível, o simples e o detalhado, inventariando um repertório de seres e cenários que povoam o inconsciente de culturas múltiplas e conectadas. Sua obra inclui, assim, a abstração geométrica e seu referencial específico sobre o espaço. Muitas das ideias vindas de colagens dão vez, nesse espaço de liberdade, a um universo que, por mais distante, está aqui próximo à percepção cotidiana, como uma canção popular ou uma cena de filme”. Julia Almeida